1. Prólogo

Sempre me interessou a questão da liberdade das mulheres. Inicialmente, considerava que a escravidão das mulheres no Oriente Médio e em geral era resultado do atraso feudal. Após muitos anos de prática e de investigação da revolução, cheguei à conclusão de que o problema é muito mais profundo. A história de 5 mil anos de civilização é essencialmente a história da escravidão da mulher. Por conseguinte, a liberdade da mulher só se logrará mediante a luta contra os pilares do sistema imperante. Uma análise da civilização dominante mostrará claramente como a liberdade foi sendo progressivamente esmagada pela escravidão. Essa “civilização dominante” se transmite da Suméria à Acádia, da Babilônia à Assur, da Pérsia à Grécia, à Roma, à Bizâncio, à Europa e, finalmente, aos Estados Unidos. Ao longo da história dessa civilização, a escravidão foi perpetuada em três níveis: em primeiro lugar, estabelece-se a escravidão ideológica (de forma curiosa, mas ao fim e ao cabo compreensível, inventam-se deidades mitológicas temíveis e dominantes); depois vem o uso da força; e, finalmente, a apropriação da economia. Esse encadeamento da sociedade em três estratos fica excelentemente ilustrado nos zigurats, os templos do Estado clerical sumério. Nos níveis superiores dos zigurats é onde habita o deus que controla a mente. Os andares médios são o quartel-general político e administrativo dos sacerdotes. Finalmente, o andar de baixo é ocupado pelos artesãos e trabalhadores agrícolas, obrigados a trabalhar em afazeres de todo tipo. Essencialmente, esse modelo se manteve até hoje. Assim, uma análise do zigurat é, de fato, a análise do sistema contínuo da civilização dominante, que nos permitirá examinar o atual sistema-mundo capitalista em termos de sua base real. A acumulação contínua de capital e de poder é só uma face da moeda. A outra face é a arrepiante escravidão, a fome, a pobreza e a coerção. A civilização central, devido à natureza de seu sistema de funcionamento, só se sustenta privando a sociedade de liberdade e assegurando que se possa dirigi-la como um rebanho. Isso se logra aumentando o capital e os instrumentos de poder, causando, e inclusive, incrementando a pobreza e fomentando a mentalidade de rebanho. O fato de que a liberdade seja a questão chave em todas as épocas se deve à natureza mesma do sistema. A história da perda de liberdade é, ao mesmo tempo, a história de como a mulher perdeu sua posição e desapareceu da história. É a história de como o macho dominante, com todos os seus deuses e servidores, governantes e subordinados, sua economia, ciência e arte, conseguiu o poder. A queda e a perda da mulher são, portanto, a queda e a perda de toda a sociedade, resultando em uma sociedade sexista. O homem machista tem tanto interesse em estabelecer seu domínio social sobre a mulher que converte qualquer contato com ela em mostra de dominação. A magnitude da escravidão da mulher e seu ocultamento intencional estão, portanto, intimamente relacionados ao crescimento do poder hierárquico e estatal na sociedade. Já que a mulher se habitua à escravidão, estabelecem-se as hierarquias (da palavra grega ἱεραρχία ou hierarkhia, “o governo do sumo sacerdote”), e o caminho à escravidão de outros setores da sociedade fica pavimentado. A escravidão dos homens vem depois da escravidão das mulheres. A escravidão de gênero se diferencia em algumas questões das escravidões de classe e de nação. Sua legitimação se obtém por meio de uma repressão especializada e intensiva, combinada com mentiras que manipulam as emoções. A distinção biológica da mulher é utilizada como justificativa a sua escravidão. Todo o trabalho que ela reliza se dá por suposto e se denomina ignominiosamente “trabalho de mulheres”. Considera-se que sua presença na esfera pública está proibida pela religião e é moralmente vergonhosa e progressivamente é separada de todas as atividades sociais importantes. Na medida em que aumenta o poder dominante das atividades políticas, sociais e econômicas assumidas pelos homens, a fraqueza das mulheres se institucionaliza ainda mais. Desse modo, a ideia do “sexo frágil” se estende como crença compartilhada. De fato, a sociedade trata a mulher não só como biologicamente um sexo à parte, senão como uma raça, nação ou classe à parte; a raça, nação ou classe mais oprimida. Nenhuma raça, nação ou classe está submetida a uma escravidão tão sistemática como a das donas de casa. A decepção que se experimenta após o fracasso de qualquer luta, seja pela liberdade, pela igualdade ou democrática, ética, política ou de classe, leva a marca da luta arquetípica pela relação de poder, a relação entre mulher e homem. Dessa relação surgem todas as outras formas que fomentam a desigualdade, a escravidão, o despotismo, o fascismo e o militarismo. Se quisermos dar o verdadeiro significado a vocábulos como igualdade, liberdade, democracia e socialismo, que tão seguidamente empregamos, deveremos analisar e reduzir a pó a antiga rede de relacionamentos que se teceu ao redor das mulheres. Não há outra forma de lograr uma igualdade real (com o suficiente espaço para a diversidade), liberdade, democracia e ética verdadeira. Mas a qualificação sem ambiguidades do status das mulheres é só um aspecto dessa questão. Muito mais importante é a questão da libertação; em outras palavras, a solução do problema vai além da importância de sua denúncia e análise. A questão mais promissora dentro do atual caos do sistema capitalista é (ainda que limitada) a denúncia do status das mulheres. Durante o último quartel do século XX, o feminismo conseguiu (ainda que não suficientemente) divulgar a verdade sobre as mulheres. Em épocas de caos, a possibilidade de mudança de qualquer fenômeno aumenta em consonância com o nível acessível de progresso ou ilustração, por isso, em tais momentos, os pequenos passos em direção à liberdade podem converter -se em saltos para a frente. A liberdade das mulheres pode resultar na grande vencedora da crise atual. Tudo o que a mão humana construiu pode ser demolido por ela. A escravidão das mulheres não é nem uma lei da natureza nem seu destino. O que necessitamos é a teoria precisa, de programas, da organização e dos mecanismos para desenvolvê-los.

2. A revolução das mulheres: a era neolítica>

O patriarcado não existiu sempre. Há uma infinidade de provas que demonstram que nos milênios anteriores à criação da civilização estatal, a posição das mulheres na sociedade era muito distinta. Sem dúvida era uma sociedade matrifocalizada: construída ao redor das mulheres. No sistema Zagros-Taurus, a sociedade mesolítica e a subsequente neolítica começaram a desenvolver-se ao final do quarto período glacial, aproximadamente há 20 mil anos. Essa sociedade deslumbrante, com suas ferramentas avançadas e seus sistemas de assentamento sofisticados, estava muito mais desenvolvida que a anterior sociedade de clãs. Esse período constitui uma época deslumbrante na história de nossa natureza social. Muitos dos avanços que permanecem atualmente pertencem àquele período histórico: a revolução agrícola, a fundação de povos, as raízes do comércio e da família baseada na mãe, assim como as tribos e as organizações tribais. Muitos dos métodos, das ferramentas e dos equipamentos que usamos hoje provêm de invenções e descobertas provavelmente feitas pelas mulheres dessa era, como o uso curativo de diversas plantas, a domesticação de animais e o cultivo de plantas, a construção de moradias, os princípios da nutrição infantil, a enxada e o moedor de mão e, quiçá, inclusive o carro de bois. Para mim, o culto à deusa-mãe nessa época simboliza a reverência ao papel da mulher nesses grandes avanços. Não o vejo como deificação de uma fertilidade abstrata. Ao mesmo tempo, a hierarquia baseada na mãe-mulher é a raiz histórica do conceito de mãe, razão pela qual todas as sociedades ainda respeitam e reconhecem a mãe como autoridade. Exige essa autoridade porque a mãe é o elemento de vida principal, que dá à luz e mantém a vida através da criança, inclusive sob condições de dificuldade máxima. Portanto, toda cultura e hierarquia baseada nesse reconhecimento tem que reverenciar a mulher. A verdadeira razão da longevidade do conceito de mãe é o fato de que é concretamente ela que forma a base do ser social, o humano; não simplesmente a capacidade abstrata de dar à luz. Durante o período neolítico se criou em torno da mulher uma ordem social completamente comunitária denominada “socialismo primitivo”. Essa ordem social não aplicou nenhuma das práticas que impõe a ordem estatal, contudo, existiu durante milhares de anos. Foi nessa ordem longeva que se formou a consciência social coletiva da humanidade; e é nosso eterno desejo recuperar e imortalizar essa ordem social de igualdade e liberdade, o que levou à nossa ideia de paraíso. O socialismo primitivo, caraterizado pela igualdade e pela liberdade, foi viável porque a ética social da ordem matriarcal não permitia a propriedade, que é o fator principal do aumento da divisão social. A divisão sexual do trabalho, a outra questão relacionada com a divisão social, não estava ainda baseada na propriedade e nas relações de poder. As relações privadas dentro do grupo não haviam se desenvolvido ainda. Os alimentos que se recolhiam ou se caçavam pertenciam a todos. As crianças pertenciam ao clã. Nenhum homem ou mulher era propriedade privada de ninguém. Em todas essas questões, a comunidade, ainda pequena e sem grande capacidade de produção, tinha uma sólida cultura ideológica e material. Os princípios fundamentais que mantinham a sociedade eram a solidariedade e o compartilhamento: a propriedade e a força, como perigos que ameaçam a vida, haveriam de obstaculizar essa cultura. Diferentemente da sociedade dominante, a relação da sociedade neolítica com a natureza se mantinha em termos da cultura ideológica e material através da adoção de princípios ecológicos. Considerava-se a natureza viva e animada, e não um ente separado. Essa consciência da natureza fomentava uma mentalidade que nela reconhecia uma multidão de santidades e divindades. Podemos chegar a uma compreensão melhor da essência da vida coletiva se reconhecemos que estava baseada na metafísica da santidade e da divindade, que partia da reverência à mãe-mulher. O que necessitamos compreender é o porquê e como foi possível substituir o sistema matriarcal da era neolítica. Desde os agrupamentos sociais mais antigos, houve tensão entre a coleta de alimentos da mulher e a caça do homem, com o resultado de que duas evoluções culturais distintas se desenvolveram na sociedade. Na sociedade matriarcal, o produto excedente, ainda que limitado, se acumulava. (Foi o começo da economia, não como conceito, senão em termos de sua essência, em que encontramos as raízes dos diferentes tipos de economia, tais como a capitalista e a da doação). Era a mulher, a alimentadora, que controlava esse excedente. Mas o homem, seguramente desenvolvendo melhores técnicas de caça, melhorou sua posição, logrou um status mais alto e reuniu um séquito a seu redor. O “sábio ancião” e o xamã, que antes não formavam parte do grupo do homem forte, se uniram a ele e o ajudaram a construir a ideologia do domínio machista. Pretendiam desenvolver um movimento sistemático contra as mulheres. Na sociedade matriarcal da era neolítica não havia hierarquias institucionalizadas, que agora começavam a se introduzir lentamente. A aliança com o xamã e o ancião com experiência foi um desenvolvimento importante nesse sentido. O controle ideológico, que estabeleceu a aliança masculina sobre os jovens, que atraiu a seu círculo, fortaleceu sua posição na comunidade. O que é importante é a natureza do poder conseguido pelo homem. Tanto a caça como a defesa do clã contra os perigos exteriores se baseavam em matar e ferir, e, portanto, tinham características militares. Esse foi o princípio da cultura de guerra. Numa situação de vida ou morte, deve-se respeitar a autoridade e a hierarquia. A comunidade é o pilar sobre o qual se assentam a hierarquia e o poder do Estado. Originalmente, o termo hierarquia se referia ao governo dos sacerdotes e à autoridade dos sábios anciãos. Em suas origens, teve uma função positiva. Numa sociedade natural, poderíamos inclusive considerar a hierarquia como benéfica, como o protótipo da democracia. A mãe-mulher e os anciãos sábios garantiam a segurança da comunidade e sua governabilidade, eram necessários e úteis, elementos fundamentais numa sociedade que não estava baseada na acumulação e na propriedade. A sociedade os respeitava de forma voluntária. Mas quando a dependência voluntária se transforma em autoridade, a utilidade em interesse próprio, sempre dá passagem a um inapropriado instrumento de força. O instrumento de força se oculta atrás da segurança comum e da produção coletiva. Isso constitui o núcleo de todos os sistemas de exploração e opressão. É a criação mais sinistra que se inventou em todos os tempos. A criação que propiciou todas as formas de escravidão, todas as formas de mitologia e de religião, toda a aniquilação e o saqueio sistemático. Sem dúvida, havia razões externas para a desintegração da sociedade neolítica, mas o fator principal foi a sociedade estatal sagrada dos sacerdotes. As lendas das civilizações originárias na Baixa Mesopotâmia e ao longo do Nilo o confirmam. O desenvolvimento da cultura da sociedade neolítica, combinado com as novas técnicas de irrigação artificial, proporcionou o produto excedente requerido para o estabelecimento de nova sociedade. Foi principalmente mediante a posição e o poder recém-adquiridos pelo homem que a sociedade urbana, formada em torno do produto excedente, se organizou em forma de Estado. A urbanização significou mercantilização. O resultado foi o comércio. O comércio se infiltrou nas veias da sociedade neolítica em forma de colônias. A mercantilização, o valor de troca e a propriedade cresceram exponencialmente, acelerando, desse modo, a desintegração da sociedade neolítica.

3. A primeira grande ruptura sexual

Na essência do esquema da revolução/contrarrevolução do materialismo histórico, sugiro que denominemos os pontos de inflexão na história da relação entre os sexos de “ruptura sexual”. A história já viu duas dessas rupturas e prevejo que outra está por chegar. Nas épocas sociais anteriores à civilização, a organização do “homem forte” existia com o único propósito de capturar animais e se defender do perigo exterior. Era essa força organizada que cobiçava a unidade do clã familiar, aquilo que a mulher construíra como produto de seu trabalho emocional. O controle do clã familiar constituiu a primeira organização importante da violência. A própria mulher, seus filhos e familiares e toda a acumulação cultural, material e ética foram usurpadas no processo. Foi o saque da economia primária, a economia do lar. A força organizada do protossacerdote (xamã), o ancião com experiência e o homem forte se aliaram para formar o primeiro e mais longo poder hierárquico patriarcal, o do governo sagrado. Isso se pode observar em todas as sociedades que estão no mesmo estágio: até a etapa de classe, cidade e Estado, essa hierarquia domina a vida social e econômica. Na sociedade suméria, ainda que o equilíbrio tenha se voltado gradualmente contra a mulher, os dois sexos eram mais ou menos iguais até o segundo milênio a.C.. Os numerosos templos para deusas e os textos mitológicos desse período indicam que entre 4000 e 2000 a.C., a influência da cultura da mãe-mulher nos sumérios, que constituíam o centro da civilização, estava no mesmo nível que a do homem. Até então, jamais existira uma cultura que desonrasse a mulher. Dessa forma, observamos aqui o início de uma nova cultura que desenvolve sua superioridade sobre o culto à mãe-mulher. O desenvolvimento dessa autoridade e hierarquia, antes do surgimento da sociedade de classes, constitui um dos pontos de inflexão mais importantes da história. Essa cultura é qualitativamente diferente da cultura da mãe-mulher. A coleta e, mais tarde, o cultivo, que eram os elementos predominantes da cultura da mãe-mulher, são atividades pacíficas que não requerem ações de guerra. A caça, à qual o homem se dedica principalmente, se apoia na cultura da guerra e na autoridade violenta. É compreensível que o homem forte, cujo papel essencial era a caça, cobiçasse a acumulação da ordem matriarcal. Estabelecer seu domínio lhe traria muitas vantagens. A organização do poder que obtinha por meio da caça dava-lhe agora a oportunidade de governar e de estabelecer a primeira hierarquia social. Esse desenvolvimento constitui a primeira utilização maliciosa da inteligência analítica, a qual, posteriormente, se fez sistêmica. Além disso, a transição do culto sagrado à mãe ao culto sagrado ao pai permitiu que a inteligência analítica se disfarçasse de santidade. Portanto, a origem de nossos graves problemas sociais se encontra nas sociedades patriarcais, que se converteram em sociedades de culto, quer dizer, religiosas, em torno do homem forte. Com a escravidão da mulher, o terreno estava fértil para a escravidão não só dos meninos, mas também dos homens. Como o homem ganhou experiência na acumulação de valores por meio do uso do trabalho dos escravos (em especial, acumulando os excedentes), seu controle e domínio sobre esses escravos aumentou. Poder e autoridade se fizeram cada vez mais importantes. A colaboração entre o homem forte, o ancião com experiência e o xamã para formar um setor privilegiado teve como resultado um núcleo de poder difícil de combater. Nesse núcleo, a inteligência analítica desenvolveu uma narrativa mitológica extraordinária para governar as mentes do populacho. No mundo mitológico criado para a sociedade suméria (e transmitido através da história com algumas adaptações), exalta-se o homem até o ponto de deificá-lo como criador do céu e da terra, enquanto a divindade e a sacralidade da mulher é, primeiro, reduzida e depois, eliminada. A ideia do homem como governante e poder absoluto penetra na sociedade. Desse modo, por meio de uma enorme rede narrativa mitológica, cada aspecto da cultura se converte na relação entre governante e governado, criador e criatura. A sociedade é enganada para interiorizar esse mundo mitológico que gradualmente se converterá na versão dominante. Depois se transforma em religião, uma religião na qual se constrói o conceito de uma distinção radical entre as pessoas. Por exemplo, a divisão em classes da sociedade reflete-se na história da expulsão de Adão e Eva e a condena à servidão. Essa lenda dota os governantes-deuses sumérios de poder criativo e representa seus súditos como servos. A mitologia suméria conhecia a história da criação a partir da costela de um deus antropomórfico, mas foi a deusa Ninhursag que realizou o ato de criação para salvar a vida do deus masculino Enki. Ao longo do tempo, a história foi alterada para beneficiar o homem. Os elementos repetitivos de rivalidade e de criatividade nos mitos de Enki e Ninhursag-Inanna tinham a dupla função de, por um lado, degradar as mulheres e diminuir a importância de sua antiga criatividade e, por outro lado, representar a formação de um ser humano que não é mais do que um escravo e um servo. (Eu acho que essa concepção dos sacerdotes sumérios está relacionada com os dilemas subsequentes deus-servo. Determinar a verdade disso é vital; no entanto, a literatura religiosa, tal como os provérbios, ou bem deixam de fazê-lo ou rejeitam a noção diretamente. É por isso que os teólogos sentem a necessidade de disfarçar a verdade e, portanto, seus interesses no assunto?). As identidades divinas projetadas na sociedade suméria são o reflexo da nova visão da natureza e dos novos poderes sociais; mais do que isso, praticamente se desdobram com o propósito de condicionar as mentes novamente. Juntamente com a influência em declínio da dimensão natural, a dimensão social ganha importância; a influência das mulheres diminui gradualmente e ocorrem desenvolvimentos surpreendentes na classificação dos seres humanos como súditos, como servos. Enquanto o crescente poder político na sociedade resulta na proeminência de alguns dos deuses, também implica algumas perdas de identidade e uma mudança significativa na forma de outras. Assim, o poder absoluto do monarca durante a fase de Babilônia se reflete na subida do deus Marduk. Essa última fase da mitologia suméria indica que o limiar do nascimento das religiões monoteístas foi atingido. Em uma organização como essa, na qual o homem era o proprietário dos filhos, o pai queria ter tantos filhos quanto possível (em especial, meninos) para alcançar o poder. O domínio dos meninos lhe permitiu aproveitar a acumulação de mulher-mãe: o sistema de propriedade foi criado. Próxima à propriedade coletiva do estado clerical, a propriedade privada da dinastia foi estabelecida. A propriedade privada também exigiu o estabelecimento dos direitos de paternidade: requeria-se que a herança pudesse passar (principalmente) aos rapazes. De 2000 a.C. em diante, essa cultura se estendeu amplamente. O status social da mulher foi radicalmente alterado. A sociedade patriarcal havia alcançado a força para converter-se em um governo lendário. Enquanto o mundo do macho é exaltado e é convertido em herói, todo o feminino é desvalorizado e vilipendiado. Essa ruptura sexual foi tão radical que resultou na mudança mais significativa já vista na história. A essa transformação quanto ao valor das mulheres na cultura do Oriente Médio podemos chamar a primeira ruptura maior ou contrarrevolução sexual. Denomino-a contrarrevolução porque não contribuiu em nada para o desenvolvimento positivo da sociedade. Pelo contrário, conduziu a uma extraordinária pobreza da vida para estabelecer a dominação total de um patriarcado rígido, provocando a exclusão das mulheres. Essa ruptura na civilização do Oriente Médio é, provavelmente, o primeiro passo para a sua deterioração progressiva, já que as consequências negativas continuam a se multiplicar com o avanço do tempo. Em lugar de uma sociedade dual, produziu uma sociedade unicamente masculina. Havia se dado a transição para uma cultura social unidimensional, extremamente masculina. A inteligência emocional da mulher, que criava maravilhas, era humana e estava comprometida com a natureza e a vida, se perdeu. Em seu lugar nasceu a maldita inteligência analítica de uma cultura cruel que havia se rendido ao dogmatismo e se separado da natureza; que considerava a guerra como a maior virtude e desfrutava do derramamento do sangue humano; que considerava legítimo o tratamento arbitrário da mulher e sua escravidão. Essa inteligência é oposta à inteligência igualitária da mulher, focada para a produção humanitária e para a natureza viva. A mãe se converteu na deusa antiquada; agora se senta em seu lar como mulher obediente e casta. Longe de ser igual aos deuses, não pode fazer ouvir sua voz ou mostrar sua cara. Pouco a pouco, é envolvida em véus, converte-se em uma cativa dentro do harém do homem forte. A profundidade da escravidão da mulher na Arábia (intensificada na tradição de Abraão por Moisés) está relacionada com esse desenvolvimento histórico.

4. Como se enraizou a autoridade patriarcal

A sociedade patriarcal precisa de uma estrutura hierárquica e autoritária para a sua sobrevivência. A aliança da administração autoritária com a autoridade sagrada do xamã resultou no conceito de hierarquia. A instituição da autoridade ganharia destaque gradualmente na sociedade, tornando-se a autoridade do Estado na medida em que as distinções de classe se intensificaram. Até então, a autoridade hierárquica era pessoal, ainda não institucionalizada, portanto não tinha muito controle sobre a sociedade. Obedecê-la era, em parte, uma decisão voluntária, pois o compromisso era determinado pelos interesses da sociedade. No entanto, o processo que foi iniciado conduzia ao nascimento do Estado hierárquico. O sistema comunitário primitivo resistiu a esse processo por longo tempo. O respeito e o compromisso com a autoridade da aliança somente se mostravam se eles compartilhavam a acumulação da produção com os membros da sociedade. Na verdade, reprovava-se a acumulação de produto excedente, e a pessoa que merecia mais respeito era a que a distribuía (eis as poderosas raízes históricas da tradição de admirar a generosidade, que ainda prevalece nas sociedades de clã). Desde o início, a comunidade considerou que a acumulação do produto excedente era a mais séria ameaça contra si e fundamentou sua ética e sua religião na resistência a isso. Mas, finalmente, a cultura da acumulação e a da autoridade hierárquica do homem derrotaram as da mulher. Devemos ter clareza de que essa vitória não respondeu a uma necessidade histórica inevitável. Não há nenhuma lei que obrigue a sociedade natural a se converter necessariamente em uma sociedade hierárquica e, portanto, em uma sociedade de Estado. Pode haver a tendência para tal desenvolvimento, mas assinalá-la como processo inevitável e incessante, que tem de alcançar sua plena realização, seria uma suposição totalmente equivocada. Considerar a existência de classes como destino tornou-se simplesmente uma ferramenta para ideólogos classistas. Após essa derrota, lacerações profundas ocorreram na sociedade comunitária das mulheres. O processo de se tornar uma sociedade hierárquica não foi fácil. É a fase de transição da sociedade comunitária primitiva para o Estado. Finalmente, a sociedade hierárquica tinha que se desintegrar ou tornar-se Estado. Apesar de ter desempenhado um papel de forma positiva no desenvolvimento da sociedade, a sua forma de socialização, a aliança entre os poderes do sexo masculino deu força ao patriarcado hierárquico para se tornar Estado. Na verdade, foi a sociedade hierárquica e patriarcal que subordinou mulheres, jovens e membros de outros grupos étnicos; tudo isso foi feito antes do desenvolvimento do Estado. A questão mais importante é como se chegou a essa subordinação. A autoridade para realizá-la não foi obtida por meio de legislação, mas de novas éticas que foram baseadas nas necessidades mundanas, e não sagradas. Embora haja uma tendência para o conceito religioso de um deus abstrato e único que reflete os valores da sociedade patriarcal, a autoridade matriarcal da sociedade natural, com sua miríade de deusas, resiste. Na ordem matriarcal, as regras essenciais são trabalhar, produzir e abastecer as pessoas para mantê-las vivas. Enquanto a ética patriarcal legitima a acumulação e abre caminho para a propriedade, a ética da sociedade comunitária condena a acumulação de excedentes como fonte de todo o mal e encoraja sua distribuição. A harmonia interna na sociedade se deteriora progressivamente e a tensão cresce. A solução desse conflito seria voltar aos velhos valores matriarcais ou aumentar o poder patriarcal dentro e fora da comunidade. Para a facção patriarcal havia apenas uma escolha. Os pilares da sociedade violenta e guerreira, com base na opressão e na exploração, foram estabelecidos. Através desse conflito foi alcançada a fase do Estado, a fase da autoridade institucionalizada baseada na força permanente. Sem analisar a situação das mulheres no sistema hierárquico e as condições sob as quais foram escravizadas, nem o Estado nem o sistema de classes no qual ele repousa podem ser compreendidos. A mulher não é perseguida como gênero feminino, mas como fundadora da sociedade matriarcal. Sem uma análise completa da escravização das mulheres e da criação de condições para superá-la, nenhuma outra escravidão pode ser analisada ou ultrapassada. Sem essa análise, não se poderá evitar cometer erros fundamentais.

5. Toda escravidão se funda na conversão da mulher em dona de casa Do imenso salto na ordem hierárquica, o sexismo tem sido a ideologia básica do poder. Está intimamente relacionado com a divisão de classes e com o exercício do poder. A autoridade das mulheres não é fundamentada no produto excedente, no entanto, surge a partir da fertilidade e da produtividade e reforça a existência social. Fortemente influenciada pela inteligência emocional, está intimamente ligada à existência comunitária. O fato de as mulheres não ocuparem um lugar de destaque nas guerras por poder com base no produto excedente deve -se a sua posição na vida social. É necessário assinalar uma característica que tem sido institucionalizada nas sociedades civilizadas, que é a tendência da sociedade para as relações de poder. Assim como foi necessária a conversão das mulheres em donas de casa para criá-las novamente, a sociedade precisava estar preparada para que o poder assegurasse a sua própria existência. A conversão das mulheres em donas de casa é a mais antiga forma de escravidão. O homem forte e o seu ambiente derrotaram a mulher-mãe e todos os aspectos do seu culto através de lutas longas e profundas. A conversão em dona de casa foi institucionalizada quando a sociedade machista tornou-se dominante. A discriminação por gênero não se restringe à noção das relações de poder entre mulheres e homens. Define as relações de poder que se espalharam para todos os níveis sociais. É indicativo do poder do Estado, que atingiu a sua capacidade máxima com a modernidade. A discriminação de gênero teve duplo impacto destrutivo sobre a sociedade. Primeiro, abriu as portas da sociedade à escravidão. Em segundo lugar, todas as outras formas de escravidão foram implementadas com base na conversão da dona de casa. A conversão em dona de casa não só tem como objetivo recriar um indivíduo como um objeto sexual, o que não é o resultado de uma característica biológica. A conversão da dona de casa é um processo inerentemente social e aponta para toda a sociedade. A escravidão, a subordinação, a sujeição a insultos, o pranto, o hábito de mentir, a falta de firmeza e o exibicionismo são aspectos reconhecidos dessa conversão e devem ser rejeitados pela ética da liberdade. É o alicerce de uma sociedade degradada e a base real da escravidão. É a base institucional sobre a qual se realizaram as mais antigas formas de escravidão e de imoralidade e tudo o que delas derivou. A sociedade civilizada reflete essa fundação em todas as categorias sociais. Para que o sistema funcione, toda a sociedade deve ser submetida à conversão em dona de casa. O poder é sinônimo de masculinidade. Assim, a sujeição da sociedade à conversão em dona de casa é inevitável, porque o poder não reconhece os princípios da liberdade e da igualdade. Se o fizesse, não poderia existir. O poder e o sexismo na sociedade compartilham a mesma essência. Outra questão importante que devemos mencionar é a dependência e a opressão da juventude, estabelecidas pelo velho com experiência em uma sociedade hierárquica. Embora a experiência fortaleça os idosos, a idade os deixa fracos e impotentes. Isso empurra o velho a ganhar a cumplicidade do jovem por meio da conquista de sua mente. O patriarcado é grandemente fortalecido por esses meios. O poder físico da juventude lhe permite fazer o que quiser. Essa dependência dos jovens é perpetuada e continuamente se aprofunda. Não é fácil quebrar a superioridade da experiência e da ideologia. A juventude (e até mesmo as crianças) está dominada pelas mesmas estratégias e táticas, propaganda ideológica e política e sistemas opressivos que a mulher: a adolescência, como a feminilidade, não é um fato físico, mas social. Temos que entender bem isso: não é por acaso que a primeira autoridade poderosa que se estabeleceu foi sobre as mulheres. A mulher representa o poder da sociedade orgânica, natural e igualitária que não experimentou relações de opressão e de exploração. O patriarcado não poderia ter sido vitorioso se ela não tivesse sido derrotada; também não seria possível a transição para a instituição do Estado. Acabar com o poder da mulher-mãe, teve, portanto, um sentido estratégico. Não é à toa que foi um processo tão árduo. Sem analisar o processo pelo qual a mulher foi derrotada socialmente, não se pode compreender corretamente as características fundamentais da cultura social resultante do macho dominante. Mesmo o conhecimento do estabelecimento social da masculinidade seria impossível. Sem entender como se formou socialmente a masculinidade, não se pode analisar a instituição do Estado e, portanto, definir com precisão a cultura da guerra e do poder relacionado à categoria de Estado. Saliento esse problema porque é preciso expor as personalidades divinizadas e macabras que se desenvolveram como resultado de todas as divisões de classe subsequentes, e todos os tipos de exploração e de assassinato que cometeram. A subordinação social das mulheres foi a contrarrevolução mais vil já realizada. O poder atingiu sua capacidade máxima sob a forma de Estado-nação. Ele retira a sua força principalmente a partir do sexismo, que se expande e intensifica com a integração das mulheres ao mercado de trabalho, bem como através do nacionalismo e do militarismo. O sexismo, tal como o nacionalismo, é uma ideologia através da qual se gera poder e se constroem Estados-nação. O sexismo não é um fato derivado de diferenças biológicas. Para o macho dominante, a mulher é um objeto que ele usa para realizar suas ambições. Da mesma forma, quando realizada a conversão da mulher em dona de casa, começa o processo de converter os homens em escravos; por conseguinte, as duas formas de escravidão se entrelaçam. Em suma, as campanhas para excluir as mulheres e para suscitar a admiração pelo conquistador, pela estrutura de autoridade do guerreiro, estavam intimamente relacionadas. O Estado como instituição foi invenção dos homens, e as guerras de pilhagem e saques eram quase o seu único método de produção. A influência social da mulher com base na produção foi substituída pela influência social do homem com base em guerra e pilhagem. Há uma ligação direta entre o cativeiro das mulheres e a cultura social do guerreiro. A guerra não produz, mas captura e saqueia. Embora a força possa ser decisiva para o progresso social, sob certas condições específicas (por exemplo, através da resistência à ocupação, à invasão e ao colonialismo, o caminho para a liberdade fica pavimentado), é quase sempre destrutiva e negativa. A cultura da violência que a sociedade internalizou prospera na guerra. A espada da guerra, empunhada na guerra do Estado e na mão do homem no seio da família, é símbolo de hegemonia. Toda a sociedade de classes, a partir da parte superior para os estratos mais baixos, está presa entre uma espada e a mão. Isso é algo que eu sempre tentei entender: como é possível que o poder das mulheres tenha caído nas mãos do homem, que realmente não é nem produtivo nem criativo. A resposta está, obviamente, no papel desempenhado pela força. Quando também a economia foi retirada da mulher, o cativeiro atroz tornou-se inevitável.

6. A segunda grande ruptura sexual

Milênios depois do estabelecimento do patriarcado (o que denominei “a primeira grande ruptura sexual”) as mulheres sofreram novamente um ataque, do qual ainda não se recuperaram. Refiro-me à intensificação do patriarcado por meio das religiões monoteístas. O pensamento dominante de repúdio à sociedade natural foi agravado pelo sistema social feudal. O pensamento religioso e filosófico tornou-se o pensamento dominante da nova sociedade. Da mesma forma em que a sociedade suméria sintetizara os valores da sociedade neolítica em seu novo sistema, a sociedade feudal sintetizou os valores morais das classes oprimidas do sistema antigo, e os grupos étnicos que resistiam em áreas remotas inseriram-se em suas próprias estruturas. A passagem do politeísmo ao monoteísmo desempenhou papel importante nesse processo. As características mitológicas do pensamento se renovam com conceitos religiosos e filosóficos. O crescente poder do Império se reflete na multiplicidade de deuses sem poder que evoluiu para um Deus todo-poderoso e universal. A cultura relacionada com as mulheres, desenvolvida pelas religiões monoteístas, resultou na segunda grande ruptura sexual. Enquanto a ruptura do período mitológico foi uma necessidade cultural, a do período monoteísta foi “a lei dada por Deus.” Tratar as mulheres como seres inferiores tornou-se agora mandato divino. A superioridade do homem na nova religião é ilustrada na relação entre o profeta Abraão e as mulheres Sara e Agar. O patriarcado fica agora bem estabelecido. Forma-se a instituição do concubinato e se aprova a poligamia. Como demonstrado pela relação amarga entre o profeta Moisés e sua irmã Mariam, a participação das mulheres no patrimônio cultural foi elimi- Libertando a vida: a revolução das mulheres 48 nada. A sociedade do profeta Moisés era totalmente masculina, na qual não se concedia qualquer função às mulheres. Daí a luta com Mariam. Durante o período do reino hebreu que cresceu pouco antes do final do primeiro milênio a.C., podemos observar, com Davi e Salomão, a transição para uma cultura generalizada de conversão em dona de casa. A mulher, sob a dupla dominação da cultura do patriarcado e do estado religioso, não desempenha nenhum papel público. A melhor mulher é a que melhor se adapta ao seu homem ou patriarca. A religião se torna uma ferramenta para caluniar as mulheres. Em princípio, ela (Eva) é a primeira mulher pecadora que seduz Adão e provoca a sua expulsão do paraíso. Lilit não se submete ao deus de Adão (uma figura patriarcal) e ajuda o chefe dos espíritos malignos (uma figura humana que se recusa à servidão e não obedece a Adão). Na verdade, a alegação sumeriana de que a mulher foi criada a partir da costela do homem está na Bíblia. Como mencionado acima, é exatamente o oposto da narrativa original: de criadora, a mulher passa a criada. As mulheres quase não são mencionadas como profetas nas tradições religiosas. Sua sexualidade é vista como o mal mais depreciável e tem sido constantemente vilipendiada e conspurcada. A mulher, que ainda tinha um lugar de honra nas sociedades suméria e egípcia, torna-se agora uma figura de desonra, de pecado e de sedução. Com a chegada do período do profeta Jesus, aparece a figura de Maria mãe. Embora seja a mãe do filho de Deus, não há nenhum sinal de sua origem divina. Uma mãe extremamente tranquila e chorosa (sem o título de deusa!) substituiu as deusas-mães. A queda continua. É bastante irônico que uma simples mulher seja fecundada por Deus. De fato, a trindade do pai, do filho e do Espírito Santo representa a síntese de religiões politeístas e do monoteísmo. Embora Maria devesse ter sido considerada também uma divindade, é vista como mero instrumento do Espírito Santo. Isso indica que a divindade se tornou exclusivamente masculina. Nos períodos sumério e egípcio, deuses e deusas eram quase iguais. Mesmo durante a época da Babilônia, a voz das deusas-mães ainda era ouvida claramente e com força. A mulher não tinha nenhum papel social, exceto o de ser a mulher de sua casa. Seu dever principal era cuidar de seus filhos varões, os “deuses-filhos”, cujo valor tinha crescido em relação ao período mitológico. A esfera pública lhe foi totalmente vetada. A prática cristã de mulheres santas virgens provocou de fato o refúgio em isolamento para encontrar a salvação dos pecados. Pelo menos, essa vida santa, de clausura, oferecia uma liberação do sexismo e da condenação. Há razões materiais e espirituais de peso para escolher a vida em um claustro frente a uma vida familiar infernal. Quase podemos chamar essa instituição de o primeiro partido das mulheres pobres. A monogamia, que estava bem estabelecida no judaísmo, foi adotada e santificada pelo cristianismo. Essa prática exerce papel importante na história da civilização europeia. Um aspecto negativo é que as mulheres são consideradas objetos sexuais na civilização europeia, porque aos católicos não é permitido o divórcio. Com o advento do profeta Muhammad e do Islã, o status das mulheres na cultura patriarcal das tribos do deserto melhorou de alguma forma. Mas, em essência, o Islã é baseado na cultura de Abraão; as mulheres tinham o mesmo status durante o período do profeta Muhammad que tinham no período de David e Salomão. Como, então, os casamentos múltiplos foram legitimados por razões políticas, ter inúmeras concubinas foi legitimado. Embora o Islã restrinja o casamento a quatro mulheres, isso essencialmente não muda nada, porque a posse de haréns e concubinas tornou-se institucionalizada. Tanto a cultura cristã quanto a islâmica estagnaram em termos de superação da sociedade machista. As regras do cristianismo em relação às mulheres e à sexualidade em geral estão na raiz da crise da vida monogâmica moderna. Essa é a realidade que está por trás da crise da cultura machista da sociedade ocidental. Isso também não pode ser resolvido através do celibato, como é exigido de padres e freiras. A solução islâmica para dar prioridade à satisfação sexual masculina, com muitas mulheres como esposas e concubinas, fracassou. Em essência, o harém é nada mais do que um bordel privado para uso exclusivo da pessoa privilegiada. As práticas sociais sexistas do harém e da poligamia têm desempenhado papel importante no fato de que a sociedade do Oriente Médio está ficando para trás em relação à sociedade ocidental. Enquanto a repressão da sexualidade pelo cristianismo é um fator que levou à modernidade, o apoio à satisfação sexual excessiva é um fator que levou o Islã a retroceder a um estado pior do que o da antiga sociedade tribal do deserto e a ser ultrapassado pela sociedade ocidental moderna. O efeito do sexismo no desenvolvimento da sociedade é muito maior do que supomos. Quando analisamos o crescente racha entre o desenvolvimento social oriental e o ocidental, devemos nos concentrar sobre o papel do sexismo. A percepção do sexismo do Islã produziu resultados muito mais negativos do que o da civilização ocidental no que se refere à profunda escravização de mulheres e ao domínio masculino. A servidão da sociedade não é apenas um fenômeno de classes. Há uma ordem de subjugação que está bem mais profundamente escondida do que o próprio sistema de escravidão. Suavizar essa realidade ajuda a fortalecer o sistema. O paradigma fundamental da sociedade é um sistema de servidão que não tem começo nem fim.

7. Família, dinastia e Estado

Já mencionei a profunda relação existente entre as relações de poder dentro da família patriarcal e o Estado. Esse assunto merece uma análise mais extensa. Os pilares da ideologia dinástica são a família patriarcal, a paternidade e o fato de ter muitos filhos varões. Isso nos leva de volta à compreensão do poder político no sistema patriarcal. Enquanto o sacerdote estabelecia o seu poder através de sua assim chamada capacidade de dar e interpretar o significado, o homem forte estabelecia a sua liderança através do uso do poder político. O poder político pode ser entendido como o uso da força quando a liderança não é alcançada. Além disso, o poder do sacerdote é baseado em “a ira de Deus” quando os seus mandatos não são cumpridos. É um poder espiritual e, portanto, tem efeito estimulante. A verdadeira fonte do poder político é o séquito militar do homem forte. A dinastia, como ideologia, na prática se desenvolveu dando a volta nesse sistema. Na ordem patriarcal, o governo se enraizou como resultado da aliança entre o “velho homem experiente”, o “homem forte” com sua comitiva militar e o xamã que, como líder sagrado, foi o precursor do sacerdote. O sistema dinástico deve ser tratado como um todo integrado, em que a ideologia e a estrutura não podem ser separadas. Ele foi desenvolvido a partir do sistema tribal, mas foi estabelecido como a classe alta do núcleo familiar administrativo, negando, assim, o sistema tribal. Tem uma hierarquia muito rigorosa. É uma classe protogovernante, o protótipo do poder e do Estado. Depende dos homens e dos meninos; ter muitos é importante para ter poder. Consequência disso foram a poligamia, o harém e o sistema de concubinato. A prioridade da dinastia é a criação de poder e do Estado. Ainda mais importante, a dinastia foi a primeira instituição que protegia seu próprio clã e tribos, enquanto os outros sistemas tribais se acostumavam à divisão em classes e à escravidão. Na civilização do Oriente Médio, essa instituição se enraizou de tal modo que não há quase nenhum poder ou Estado que não seja uma dinastia. Ao estabelecer um campo de treinamento para o poder e o Estado, perpetua-se continuamente e é muito difícil de superar. Cada homem dentro da família se considera o proprietário de um pequeno reino. Essa ideologia dinástica é a razão autêntica pela qual a família é assunto tão importante. Quanto maior é o número de mulheres e de crianças que pertencem à família, maior segurança e dignidade alcança o homem. É importante analisar também a família atual como instituição ideológica. Se eliminássemos a mulher e a família do sistema civilizado, seu poder e o do Estado se reduziriam muito para constituir a ordem. Mas o preço disso seria uma existência dolorosa, empobrecida, degradada e derrotada da mulher sob um estado de guerra de baixa intensidade permanente. O monopólio masculino que se manteve sobre a vida e o mundo das mulheres ao longo da história não é diferente da cadeia que os monopólios mais importantes mantêm sobre a sociedade. Ainda mais importante, é o monopólio de poder mais antigo. Poderíamos extrair conclusões mais realistas se avaliássemos a existência da mulher como o fenômeno colonial mais antigo. Seria mais correto denominar as mulheres como o povo colonizado mais antigo que nunca se converteu em nação. A família, nesse contexto social, desenvolve-se como o pequeno estado do homem. A família como instituição tem se aperfeiçoado continuamente ao longo da história da civilização, apenas pelo reforço que fornece ao aparelho do poder e do Estado. Primeiro, a família torna-se um suporte básico da sociedade estatal ao dar-lhe poder na pessoa do sexo masculino. Em segundo lugar, o trabalho constante e não remunerado das mulheres fica assegurado. Em terceiro, ela cria as crianças para manter as necessidades da população. Em quarto, ela difunde a escravidão e a imoralidade como modelo para toda a sociedade. A família, assim constituída, é a instituição em que a ideologia dinástica se torna funcional. O principal obstáculo à liberdade no contexto social é, então, a família e o matrimônio. Quando a mulher se casa, é escravizada de fato. Não é possível imaginar outra instituição que escravize tanto como o matrimônio. As escravidões mais profundas são estabelecidas através da instituição do casamento, escravidões que se entrincheiraram dentro da família. Essa não é uma referência geral sobre compartilhar a vida ou ter relacionamentos que podem fazer sentido do ponto de vista da liberdade e da igualdade. O que é discutido aqui é o enraizado casamento clássico e a família. A propriedade absoluta das mulheres significa a sua exclusão de todos os cenários políticos, intelectuais, sociais e econômicos. Isso não pode ser facilmente restaurado. Portanto, faz-se necessário que haja uma revisão radical da família e do casamento, bem como o desenvolvimento de linhas de atuação destinadas à democracia, à liberdade e à igualdade. Casamentos ou relacionamentos que são baseados em necessidades individuais ou sexuais e os conceitos de família tradicional podem gerar alguns dos desvios mais perigosos no caminho para uma vida livre. Nós não precisamos dessas associações, mas sim alcançar a igualdade de gênero e a democracia mediante a sociedade e com o desejo de uma vida confortável em comum. Isso só pode ser feito através da análise do pensamento e do ambiente político que produziu associações tão destrutivas. A cultura dinástica e da família que continua tendo tanto poder na atual sociedade do Oriente Médio é uma de suas principais fontes de problema, que deu lugar a uma população, a uma hegemonia e a ambições excessivas no sentido de participar do poder do Estado. A degradação das mulheres, a desigualdade, as crianças sem acesso à educação, as disputas familiares e as questões de honra estão todas relacionadas com a família. É como se um pequeno modelo dos problemas intrínsecos do poder e do Estado estivesse estabelecido dentro da família. Por isso, é fundamental analisar a família para poder analisar o poder, o Estado, a classe e a sociedade. O Estado e os centros de poder outorgaram ao homem-pai uma cópia de sua própria autoridade e o fizeram desempenhar esse papel. Desse modo, a família se converteu na ferramenta mais importante para legitimar os monopólios. Converteu-se em fonte de escravos, servos, operários, soldados e produtores de todo tipo de serviços necessários para os círculos capitalistas dominantes. Por isso, deram tanta importância à família, por isso a santificaram. Ainda que o trabalho da mulher seja a maior fonte de benefícios para o mundo capitalista, isso foi oculto mediante o acréscimo de encargos à família. A família se converteu no seguro do sistema e, portanto, será inevitavelmente perpetuada. A crítica da família é fundamental. Os restos do passado patriarcal e das sociedades estatais e os modelos da civilização ocidental moderna não criaram uma síntese, mas sim uma paralisia no Oriente Médio. O impasse criado na família é ainda mais complicado do que o do Estado. Se a família continua a manter a sua força contra outros laços sociais que estão a desaparecer rapidamente, é porque é o único abrigo social disponível. Não devemos deixar de contar com a família. No caso de se examinar em profundidade, a família pode se tornar o esteio da sociedade democrática. Não só as mulheres, mas toda a família devem ser analisadas como o suporte do poder; senão, vamos deixar a implementação e o ideal da civilização democrática sem o seu elemento mais importante. A família não é uma instituição social que deva ser derrubada, mas precisa sim ser transformada. O capital (em todas as suas formas) e as relações de poder não devem ter lugar na relação dos casais. A criação dos filhos como motivação para manter a instituição deve ser eliminada. A orientação ideal da associação homem-mulher está fundada na filosofia da liberdade, entregue à sociedade ética e política. Nesse quadro, a família transformada será a melhor garantia da civilização democrática e uma das relações fundamentais dentro dessa ordem. O companheirismo natural é mais importante do que a relação de casal oficial. O casal deveria aceitar sempre o direito do outro de viver sozinho. Não se pode atuar de maneira escravocrata ou temerária em uma relação. Evidentemente, a família experimentará sua transformação mais significativa durante a civilização democrática. Se a mulher, que foi despojada de muito da sua força e respeito, não os recuperar, não serão possíveis uniões familiares significativas. Não pode haver respeito por uma família que tenha como base a ignorância. Na construção da civilização democrática, o papel da família é vital.

8. A situação das mulheres na sociedade curda

Até agora descrevi certas características gerais da sociedade sexista. Permitam-me concluir esta análise com algumas observações sobre as mulheres curdas. A transição da civilização suméria para a hitita conduziu os protocurdos a fortalecerem sua existência tribal. Uma vez que a criação de um estado prematuro havia provocado sua eliminação, parece que preferiram um estilo de vida seminômade, de semiguerrilha. Ao aumentar o número de estados estabelecidos ao seu redor, sentiram a necessidade crescente de fortalecer suas estruturas tribais. O tribalismo curdo se parecia com o estilo de vida de um grupo de guerrilha. Se observarmos com mais atenção a família dentro da organização tribal, veremos a preponderância do matriarcado e da liberdade. As mulheres eram muito influentes e livres. A atitude de alerta, a força e o valor das atuais mulheres curdas provêm dessa antiga tradição histórica. No entanto, um aspecto negativo da vida tribal é que as oportunidades de fazer uma transição para uma sociedade mais desenvolvida ficam limitadas. Não é por acaso que, entre os povos do Oriente Médio, os curdos são aqueles que têm a sensação de liberdade mais desenvolvida. Podemos observar isso em seu desenvolvimento histórico. A ausência prolongada das classes dominantes e exploradoras e a incapacidade de gerar qualquer valor positivo para a sua comunidade, além do fato de que em toda a sua história os curdos tiveram que enfrentar a natureza e as incursões estrangeiras, têm contribuído para o desenvolvimento dessa característica. O fato de que as mulheres na sociedade curda são mais proeminentes do que em outras sociedades do Oriente Médio é devido a essa realidade histórica. Na verdade, a situação atual das mulheres na sociedade curda demanda uma análise em profundidade A situação das mulheres em todo o mundo é ruim, mas a das mulheres curdas é de uma escravidão terrível e única em muitos aspectos. De fato, a situação das mulheres e das crianças é espantosa. Apesar de no Curdistão a família ser considerada sagrada, ela foi esmagada: em especial como resultado da falta de liberdade, das dificuldades econômicas, da falta de educação e dos problemas de saúde. O fenômeno dos chamados assassinatos de honra é a vingança simbólica pelo que ocorreu na sociedade em geral. A mulher está pagando pela destruição da honra da sociedade. A perda da masculinidade é paga com as mulheres. Exceto na questão da honra da mulher, o homem curdo, que perdeu ambos, o poder moral e o político, não dispõe de outra esfera para demonstrar seu poder ou a falta de poder. Sob as atuais circunstâncias, a crise da família poderia ser resolvida se uma democratização geral da sociedade ocorresse. A educação e a transmissão na língua materna poderiam eliminar parcialmente a falta de identidade. O casamento, as relações entre marido, esposa e filhos sequer ultrapassaram as das antigas relações feudais, quando as relações impiedosas do capitalismo os sitiaram e transformaram sua vida em uma autêntica prisão. Em sua batalha pela liberdade do povo curdo, o PKK não só lutou contra os efeitos paralisantes do colonialismo; acima de tudo, lutou contra o feudalismo interno, para alterar o status das mulheres e acabar com a escravidão da sociedade em geral. As mulheres entraram maciçamente nessa luta não só para resistir ao colonialismo, mas também para acabar com o feudalismo interno e exigir a liberdade. Desde os anos 1980, isso significou que as mulheres curdas, tanto dentro como fora da organização, se auto-organizaram como movimento e assumiram decisões que as afetam não apenas como mulheres, mas também dizem respeito à sociedade em geral. Tentei apoiá-las de todas as maneiras possíveis, tanto na teoria como na prática.

9. O capitalismo

Uma definição realista do capitalismo não deveria apresentá-lo como uma constante criada e caracterizada pelo pensamento e pela ação centralizada. Provém, em essência, das ações de indivíduos e de grupos oportunistas que se estabeleceram nas aberturas e nas rachaduras existentes na sociedade como potencial produtora de excedentes; essas ações se fizeram sistemáticas, uma vez que mordiscavam incessantemente o excedente social. Tais grupos e indivíduos nunca representaram mais de 1% ou 2% da sociedade. Sua força reside em seu oportunismo e na sua sagacidade para organizar-se. Sua vitória não somente se deve a sua habilidade de organização, mas também ao seu controle sobre os bens necessários e sobre a flutuação dos preços no ponto de interseção entre a oferta e a demanda. Se as forças sociais oficiais não os suprimem, mas, em lugar disso, aproveitam-se de seus benefícios, dando-lhes, em troca, apoio contínuo, então, esses grupos que existem nas margens de todas as sociedades podem legitimar-se como seus novos senhores. Ao longo da história da civilização e, em especial, nas sociedades do Oriente Médio, esses grupos marginais de usurários existiram sempre. Mas, devido ao ódio que a sociedade sentia deles, nunca tinham tido valor suficiente para sair à luz das cloacas onde residiam. Sequer os administradores mais despóticos tiveram a coragem de legitimar esses grupos. Não somente eram vituperados, mas eram considerados também como o poder de corrupção mais perigoso. Sua ética era considerada a raiz de todo o mal. Na verdade, a enorme onda de guerras, saques, massacres e exploração que se originou da Europa Ocidental ao longo dos últimos quatro anos é, em grande parte, o resultado da hegemonia do sistema capitalista. (Mas, então, o maior contra-ataque também ocorreu na Europa Ocidental, por isso não pode ser considerado uma perda total para a humanidade). O capitalismo e o Estado-nação representam o macho dominante de maneira mais institucionalizada. A sociedade capitalista é a continuação e a culminação de todas as antigas sociedades exploradoras. É uma guerra contínua contra a sociedade e contra a mulher. Para dizer tudo isso de forma sucinta, o capitalismo e o Estado-nação são o monopólio do macho tirânico e explorador. Acabar com esse monopólio será talvez mais difícil do que decompor o átomo. Um dos principais objetivos da hegemonia ideológica do capitalismo moderno está em apagar todos os vestígios dos fatos históricos e sociais relacionados com a sua concepção e essência. Isso ocorre porque a forma econômica e social do capitalismo não é uma necessidade social e histórica, é uma construção forjada através de um processo complexo. Religião e filosofia tornaram-se nacionalismo, a divindade Estado-nação. O objetivo final de sua guerra ideológica é garantir seu monopólio sobre o pensamento. Suas principais armas são a religiosidade, a discriminação de gênero e a ciência como religião positivista. Sem hegemonia ideológica, apenas com a política e a repressão militar, a manutenção da modernidade será impossível. Enquanto o capitalismo usa a religião para controlar o conhecimento da sociedade, usa o nacionalismo para o domínio das classes e da cidadania, fenômeno que tem aumentado nesse sistema. O objetivo da discriminação de gênero é negar às mulheres qualquer esperança de mudança. A maneira mais eficaz para operar a ideologia sexista é colocar o homem em relações de poder e anular a mulher por intermédio da violação contínua. Através do cientificismo positivista, o capitalismo neutraliza o mundo acadêmico e a juventude, ao convencê-los de que sua única opção é integrar-se ao sistema, o que é assegurado em troca de certas concessões. Da mesma forma que todos os sistemas sociais repressivos e exploradores, o capitalismo não poderia desenvolver-se sem estabelecer um Estado. Enquanto o dogmatismo do sistema feudal tinha um caráter religioso, o da sociedade arcaica escravagista tinha um caráter mitológico. Deus se encarnava no rei e na dinastia, e atualmente é apresentado como o poder invisível na nobre existência do Estado. Quando o capitalismo viu a oportunidade de se converter em um sistema, começou por eliminar todas as sociedades fundadas na cultura da mãe-mulher. Durante a primeira modernidade, a força da sociabilidade feminina que lutava por subsistir foi queimada na fogueira do caçador de bruxas. Essas incinerações foram ferramentas úteis para estabelecer a sua hegemonia sobre as mulheres e sua escravização total. Em parte por essa extensa queima, atualmente, a mulher está a serviço do sistema. O medo interiorizado à fogueira colocou-a na Europa sob total servidão ao homem. Depois de eliminar as mulheres, o sistema destruiu de forma desumana a sociedade agrária e a da vila. Enquanto existisse uma sociedade democrática e comunitária, o capitalismo não poderia obter o máximo poder e benefícios. Portanto, esse tipo de sociabilidade foi inevitavelmente aniquilado. Assim, a subjugação total da escrava mais antiga, a mulher, converteu-se no modelo para as outras vidas escravizadas: as dos filhos e as dos homens. O poder político e o militar desempenham papel muito importante na manutenção da hegemonia do sistema capitalista. Mas o que é fundamental é possuir e, consequentemente, paralisar a sociedade através da indústria cultural. A mentalidade das comunidades tem sido enfraquecida, e os seus membros têm acreditado no sistema. Muitos filósofos proclamam que a sociedade tornou-se uma sociedade do espetáculo, como um zoológico. Sexo, esportes, artes e indústrias culturais combinados e em série bombardeiam a inteligência emocional e analítica incessantemente, através da implantação múltipla de propaganda. Como resultado, tanto a inteligência emocional como a analítica tornaram -se totalmente disfuncionais, e a conquista do pensamento da sociedade está completa. O que é preocupante é a aceitação voluntária desse cativeiro por parte da sociedade, das indústrias combinadas de cultura e de sexo, e, além disso, percebê-lo como um desperdício de liberdade! Essa é a base e a ferramenta de legitimação mais forte que têm os governantes. O capitalismo só pode chegar à fase imperial com a ajuda da indústria cultural. Portanto, a batalha contra a hegemonia cultural exige a mais difícil de todas as lutas, a luta mental. Até que nós desenvolvamos e organizemos os conteúdos e a forma de um contra-ataque à guerra cultural travada pelo sistema através de suas invasões, da assimilação e da industrialização, nenhuma luta pela liberdade, pela igualdade e pela democracia tem chance de sucesso. A modernidade capitalista é um sistema fundado na negação do amor. Sua negação da sociedade, o individualismo desenfreado, a discriminação de gênero em todos os campos, a deificação do dinheiro, a substituição de Deus pelo Estado-nação e a conversão da mulher em autômato, que recebe mísero ou nenhum pagamento, não deixam tampouco lugar material para o amor.

10. A economia

A economia tornou-se um assunto que se supõe incompreensível para as pessoas comuns. Foi complicada intencionalmente, para mascarar a realidade. É a terceira força, atrás da ideologia e da violência, por meio da qual as mulheres e, mais tarde, a sociedade inteira foram aprisionadas e forçadas a aceitar sua dependência. Economia significa literalmente “propriedade da casa”, que era originalmente do domínio das mulheres, junto a outras seções fundamentais da sociedade que tratarei mais adiante. Na organização das mulheres também existia a acumulação, mas nem o comerciante nem o mercado ficavam com ela. Era para a família. Nisso consiste a economia real e humanitária. Devido à difusão da cultura da doação, a acumulação não chegava a ser um perigo. A cultura da doação é uma forma importante de atividade econômica. É também compatível com o ritmo do desenvolvimento humano. Enquanto a mulher era deslocada de forma geral da história da civilização, mas em particular do capitalismo moderno, os grandes homens tinham a oportunidade de distorcer o funcionamento da economia e, assim, convertê-la em um amontoado de problemas. Isso foi realizado por pessoas sem conexão orgânica com a economia, devido a sua enorme avidez pelo benefício e pelo poder. Por essa razão, colocaram todas as forças econômicas, em especial a mulher, sob seu próprio controle. Como resultado, as forças do poder e do Estado cresceram de forma excessiva, como um tumor da sociedade, que chega a um ponto no qual já não se pode nem sustentar ou manter. O problema econômico começa realmente quando as mulheres são excluídas da economia. Em essência, a economia é tudo o que tem a ver com alimento. Pode parecer estranho, mas eu acho que o verdadeiro gerador da economia ainda são as mulheres, apesar de todas as tentativas de derrubá-las e colonizá-las. Uma análise completa da economia mostra que as mulheres são a sua força fundamental. Na verdade, isso fica claro quando consideramos o seu papel na revolução agrícola, e como coletou as plantas por milhões de anos. Atualmente, não só ela trabalha em casa, mas em muitos domínios da vida econômica, em que é a que faz girar a roda. Depois das mulheres, aqueles classificados como escravos, servos e trabalhadores seriam os considerados geradores da economia. Eles foram mantidos sob controle contínuo e cruel para que os poderes da civilização possam medir seu excedente e valor. Os terceiros nessa linha são os artesãos, os pequenos comerciantes e os pequenos agricultores que estão um pouco mais livres. Nessa categoria podemos adicionar os artistas, os arquitetos, os engenheiros, os médicos e todos os trabalhadores por conta própria. Com isso, a imagem daqueles que criam e constituem a economia seria concluída. O período mais brutal para as mulheres foi quando elas foram excluídas da economia durante a civilização capitalista. Podemos chamar esse fato de “a demissão das mulheres da economia”. Isso se tornou o paradoxo social mais marcante e profundo. Toda a população feminina foi deixada desempregada. Embora o trabalho da casa seja o mais difícil, não se lhe atribui qualquer valor. Ainda que o dar à luz e o criar os filhos sejam as tarefas mais exigentes, nem sempre se reconhece sua importância, e, muitas vezes, são considerados meros problemas. A mulher, além de ser uma máquina reprodutiva, desempregada, barata de se comprar e que pode operar de forma gratuita, é usada como bode expiatório: a ela é atribuída a culpa por tudo o que está errado. Ao longo da história da civilização, tem sido localizada na parte inferior da sociedade, na qual realiza o trabalho de casa sem remuneração, a criação dos filhos e a manutenção da unidade familiar; tarefas que formam a base atual de acumulação capitalista. Na verdade, nenhuma outra sociedade teve o poder de desenvolver e sistematizar a exploração de mulheres no grau que o capitalismo tem feito. Durante o período capitalista, ela tem sido alvo da desigualdade, sem liberdade ou democracia, não apenas em nível básico, mas em todos os níveis. Além disso, o poder da sociedade sexista foi realizado com tal intensidade e profundidade que a mulher tornou-se o objeto e o sujeito da indústria do sexo. A sociedade masculina dominante atingiu o ápice na civilização capitalista. As mulheres e a economia são dois elementos interligados. Ao gerar economia segundo as necessidades fundamentais, a economia da mulher é a única que nunca cai, nunca causa poluição ambiental, nunca representa uma ameaça para o clima. Quando pararmos de produzir para o lucro, teremos alcançado a libertação do mundo. Isso, por sua vez, será a libertação da humanidade e da própria vida.

11. Matar o macho dominante: começando a terceira grande ruptura sexual

Ainda que a dominação masculina esteja profundamente institucionalizada, os homens também estão escravizados. O sistema se reproduz de fato no indivíduo masculino e no feminino e na relação entre eles. Portanto, se queremos derrubar o sistema, precisamos de um enfoque novo e radical sobre a mulher, o homem e a relação entre eles. A história, em certo sentido, é a história do macho dominante, que ganhou força com o surgimento da sociedade de classes. O caráter da classe governante é formado em paralelo ao do macho dominante. Mais uma vez, a norma é validada através de mitologias e da ideia de punição divina. Sob essa máscara, a realidade da força bruta e a exploração atroz se escondem. Em nome da honra, o homem se apodera dos direitos das mulheres da forma mais insidiosa, traiçoeira e despótica. O fato de que, ao longo da história, as mulheres foram privadas da sua identidade e personalidade pelo homem (a cativa eterna) tem sido mais prejudicial do que a divisão de classes. O cativeiro das mulheres é uma medida do declínio geral e da escravização da sociedade em geral; é também medida de suas mentiras, dos seus roubos e de sua tirania. A personalidade social do macho dominante, até agora, nem mesmo permitiu a análise científica do fenômeno das mulheres. A questão fundamental é porque o homem é tão ciumento, dominador e vil no que diz respeito às mulheres; porque ele continua a desempenhar o papel de violador. Sem dúvida, o estupro e a dominação são fenômenos que estão relacionados com a exploração social, refletem o estupro da sociedade através da hierarquia, do patriarcado e do poder. Se olharmos um pouco mais a fundo, veremos que esses atos também expressam uma traição à vida. A dedicação multifacetada das mulheres à vida pode esclarecer a atitude machista do homem na sociedade. O sexismo social significa a perda da riqueza da vida sob a influência ofuscante e desgastante do sexismo e o consequente aumento da raiva, do estupro e das posturas de dominação. Portanto, é imperativo abordar o problema do homem, que é muito mais grave do que a questão das mulheres. É talvez mais difícil de analisar os conceitos de dominação e poder, relativos ao homem. É o homem, não a mulher, que não quer se transformar. Teme que abandonar o papel de macho dominante o deixaria na posição do monarca que perdeu seu Estado. Ele deveria estar consciente de que essa forma de dominação tão vazia também o priva de liberdade e, ainda pior, anula qualquer possibilidade de mudança. Para levar uma vida significativa, precisamos definir as mulheres e seu papel na vida social. Não deve ser uma definição de seus atributos biológicos e status social, mas uma análise de todos os conceitos fundamentais das mulheres como ser. Se pudermos definir a mulher, será possível definir o homem. Utilizar o homem como ponto de partida para definir a mulher ou a vida invalidará as interpretações, pois a existência natural das mulheres é mais central do que a dos homens. Embora a sociedade masculina dominante despreze a condição das mulheres e a considere insignificante, isso não deveria ser impedimento para chegar a uma compreensão válida da sua realidade. É evidente que o físico da mulher não é deficiente ou inferior, pelo contrário, o corpo feminino é mais importante do que o do homem. Essa é a raiz dos exagerados e absurdos ciúmes do homem. A consequência natural de suas diferenças físicas é que a inteligência emocional das mulheres é muito maior do que a dos homens. A inteligência emocional está ligada à vida; é a inteligência que orienta a empatia e a simpatia. Mesmo quando a inteligência analítica das mulheres se desenvolve, sua inteligência emocional lhe fornece o talento de que precisa para uma vida equilibrada, para estar entregue à vida sem ser destrutiva. Como se pode deduzir a partir desta breve análise, o homem é um sistema. O homem tornou-se um Estado e o converteu na cultura dominante. As opressões de classe e sexual se desenvolvem em conjunto; a masculinidade gerou um gênero governante, uma classe dirigente e um Estado soberano. Ao analisar o homem nesse contexto, fica claro que devemos aniquilar a masculinidade. Claro, matar o homem dominante é o princípio fundamental do socialismo. Isso é o que significa matar o poder: matar a dominação unilateral, a desigualdade e a intolerância. Além disso, é matar o fascismo, a ditadura e o despotismo. Deveríamos expandir esse conceito para incluir todos esses aspectos. É impossível libertar a vida sem uma revolução radical das mulheres para mudar a mentalidade do homem e sua vida. Se não formos capazes de alcançar a harmonia entre o homem e a vida, e a vida e as mulheres, a felicidade será apenas uma esperança vã. A revolução de gênero não se refere apenas às mulheres. Tem a ver com uma civilização da sociedade de classes com 5 mil anos de antiguidade, que deixou o homem em pior situação do que as mulheres. Essa revolução de gênero significaria, ao mesmo tempo, a libertação do homem. Muitas vezes tenho escrito sobre o “divórcio total”, ou seja, a capacidade de se divorciar da cultura de dominação masculina de 5 mil anos de idade. As identidades de gênero masculino e feminino que conhecemos hoje são construções sociais que se formaram muito depois do homem e da mulher biológicos. A mulher tem sido explorada por milhares de anos conforme essa identidade construída sem o reconhecimento do seu trabalho. O homem deve superar a consideração da mulher como esposa, irmã ou amante: estereótipos forjados pela tradição e pela modernidade. É errado pretender abordar primeiro a questão do Estado antes da questão da família. Nenhum problema social grave pode ser entendido se for examinado de forma isolada. Um método muito mais eficaz é observar cada coisa dentro do todo, para dar significado a cada pergunta em relação às outras. Esse método também serve quando se tenta resolver problemas. Analisar o pensamento social sem analisar o Estado, analisar o Estado sem analisar a família e analisar as mulheres sem analisar o homem produziria resultados insuficientes. É necessário analisar esses fenômenos sociais como um todo integrado, caso contrário se chegará a soluções inadequadas. As soluções para todos os problemas sociais no Oriente Médio deveriam se concentrar em torno da posição das mulheres. O principal objetivo para a próxima época deve ser realizado: a terceira grande ruptura sexual, desta vez contra o homem. Sem igualdade de gênero, nenhuma exigência de liberdade e de igualdade faz sentido. Na verdade, a liberdade e a igualdade não são alcançadas se a igualdade de gênero não é atingida. O elemento mais permanente e completo de democratização é a liberdade das mulheres. O sistema social é mais vulnerável devido a essa questão não resolvida: a mulher que foi convertida, primeiro, em propriedade e que hoje é completamente uma mercadoria, de corpo e alma. O papel desempenhado pela classe trabalhadora no passado agora deve ser assumido pela irmandade das mulheres. Assim, antes de analisar as classes, devemos ser capazes de analisar a irmandade de mulheres: isso nos permitiria chegar a uma compreensão muito mais clara das questões de classe e de nacionalidade. A verdadeira liberdade das mulheres só será possível se as emoções escravizantes, as necessidades e os desejos do marido, pai, amante, irmão, amigo e filho forem excluídos. O amor mais profundo leva aos laços de propriedade mais perigosos. Não seremos capazes de discernir as características da mulher livre se não pudermos proceder a uma crítica rigorosa do pensamento e dos modelos religiosos e artísticos relacionados com as mulheres, que foram gerados pelo mundo dominado pelos homens. A liberdade das mulheres não pode ser assumida simplesmente pelo fato de que a sociedade obteve liberdade e igualdade gerais. Uma organização específica é essencial, a liberdade das mulheres deveria ser de igual magnitude à sua definição como fenômeno. Claramente, um movimento de democratização geral também pode oferecer oportunidades para as mulheres. Mas isso não vai trazer a democracia por si só. É preciso que as mulheres determinem o seu próprio objetivo democrático e criem a organização e o trabalho para realizá-lo. Para alcançá-lo, para que as mulheres se livrem da escravidão internalizada, é essencial definir concretamente o que significa liberdade.

12. Jineolojî: a ciência da mulher

A eliminação das mulheres das posições e questões científicas nos obriga a buscar a alternativa radical. Em primeiro lugar, é preciso saber como vencer no campo ideológico e como gerar um pensamento libertário A eliminação das mulheres das posições e questões científicas nos obriga a buscar a alternativa radical. Em primeiro lugar, é preciso saber como vencer no campo ideológico e como gerar um pensamento libertário mera igualdade jurídica não significa nada sem a política democrática. Não contribui em nada na conquista da liberdade. Se não forem derrubadas as relações de propriedade e de poder que dominam e submetem as mulheres, tampouco serão alcançadas as relações livres entre mulheres e homens. Embora a luta feminista tenha muitas facetas importantes, ainda existe um longo caminho a percorrer para superar as limitações impostas à democracia pelo Ocidente. Também não tem uma compreensão clara do que envolve o modo de vida capitalista. A situação é uma reminiscência da visão de Lenin da revolução socialista. Apesar do grande ímpeto e da vitória em muitas batalhas, o leninismo, finalmente, não pôde evitar dar a contribuição mais preciosa da esquerda ao capitalismo. O mesmo poderia acontecer com o feminismo. As deficiências que enfraquecem os seus argumentos são: não ter uma forte base organizacional, a incapacidade de completar o desenvolvimento de sua filosofia e as dificuldades relacionadas com o movimento da mulher militante. Pode ser que sequer seja correto chamá-lo de “o socialismo real da frente das mulheres”, mas nossa análise desse movimento tem de reconhecer que foi a medida mais séria levada a efeito até agora para chamar a atenção sobre a questão da liberdade das mulheres. Salienta que é apenas a mulher oprimida do homem dominante. No entanto, a realidade das mulheres vai muito além de simplesmente ser um sexo à parte, pois tem uma dimensão econômica, sexual e política. Se considerarmos o colonialismo não só em termos de nação e país, mas também em termos de grupos de pessoas, podemos definir a mulher como o grupo colonizado mais antigo. Na verdade, nenhum outro ser social experimentou um colonialismo tão completo, de corpo e alma. Devemos entender que a mulher é mantida em uma Colônia que não tem fronteiras facilmente identificáveis. De acordo com o exposto, acredito que a chave para resolver os nossos problemas sociais será um movimento pela liberdade, igualdade e democracia das mulheres, um movimento baseado na ciência da mulher, chamada jineolojî em curdo. A crítica dos recentes movimentos de mulheres não é suficiente para analisar e avaliar a história da civilização e da modernidade que quase faz as mulheres desaparecerem. Se no âmbito das ciências sociais raramente incluem temas, questões e movimentos de mulheres, isso é devido ao pensamento hegemônico da civilização e da modernidade e às estruturas da cultura material. Além disso, as mulheres, como o elemento principal da ética e da sociedade política, têm de desempenhar um papel crítico na formação de uma ética e de uma estética da vida que reflita a liberdade, a igualdade e a democratização. A ciência ética e estética é parte integrante da jineolojî. Por causa de suas responsabilidades importantes na vida, não hesitará em fazer as duas coisas: ser a intelectual e também realizar o desenvolvimento de processos e de oportunidades. A ligação das mulheres com a vida é mais completa do que a dos homens, o que lhes assegurou o desenvolvimento de sua inteligência emocional. Portanto, a estética, no sentido de tornar a vida mais bonita, é questão existencial para as mulheres. Eticamente, a mulher é mais responsável do que os homens. O olhar das mulheres no que diz respeito à ética e à sociedade política vai ser mais realista e responsável do que o dos homens. Portanto, está bem equipada para analisar, determinar e decidir sobre os bons e maus aspectos da educação, a importância da vida e da paz, a maldade e o horror da guerra e as medidas do que é adequado e justo. É por isso que seria conveniente incluir também a economia na jineolojî.

13. A modernidade democrática: a era da revolução das mulheres

A liberdade das mulheres desempenhará um papel estabilizador e de nivelamento na formação da nova civilização, e ela tomará o seu lugar em condições de respeito pela liberdade e pela igualdade. Para conseguir isso, temos de trabalhar em nível teórico, programático, de organização e de implementação. A realidade das mulheres é fenômeno mais concreto e analisável do que conceitos como “proletariado” e “nação oprimida”. O grau de transformação possível da sociedade é determinado pelo grau de transformação que as mulheres consigam. Da mesma forma, seu nível de liberdade e de igualdade determina a liberdade e a igualdade de todos os setores da sociedade. Portanto, a democratização das mulheres é crucial para o estabelecimento permanente da democracia e da secularização. Para uma nação democrática, a liberdade das mulheres também tem grande importância, uma vez que a mulher liberada constitui uma sociedade liberada. A sociedade liberada constitui, por sua vez, uma nação democrática. Além disso, a necessidade de alterar a função do homem é de importância revolucionária. O amanhecer de uma era de civilização democrática representa não só o renascimento dos povos, mas, de modo mais específico, a ascensão das mulheres. A mulher, que era a deusa criadora da sociedade neolítica, tem sofrido perdas incessantes ao longo da história da sociedade de classes. Inverter essa história vai acarretar inevitavelmente transformações sociais mais profundas. A mulher, renascida para a liberdade, adicionará a liberação, a ilustração e a justiça em geral, em todas as instituições, altas e baixas, da sociedade. Ela vai convencer a todos de que a paz, não a guerra, é mais valiosa e deve ser desejada. O triunfo da mulher é o triunfo da sociedade e do indivíduo em todos os níveis. O século XXI deve ser a era do despertar, a era das mulheres liberadas e emancipadas. Isso é mais importante do que a libertação da classe ou a libertação nacional. A era da civilização democrática deverá ser a época em que as mulheres se erguerão e triunfarão completamente. É realista considerar nosso século como o século no qual a vontade da mulher livre florescerá. Por isso, é preciso estabelecer instituições permanentes para a mulher e mantê-las durante, talvez, um século. São necessários Partidos para a Liberdade da Mulher. É vital também que se formem círculos ideológicos políticos e econômicos fundamentados na liberdade da mulher. As mulheres em geral, mas mais especificamente as do Oriente Médio, são a força mais enérgica e ativa da sociedade democrática, devido às características acima descritas. A vitória final da sociedade democrática só será possível com a mulher. Cidades e mulheres foram devastadas pela sociedade de classes a partir do Neolítico. Serão elas, como agentes chave do progresso democrático, que agora não só se vingarão da história, mas formarão a antítese necessária, posicionando-se à esquerda da civilização democrática nascente. As mulheres são verdadeiramente os agentes sociais mais confiáveis no caminho para uma sociedade igualitária e libertária. No Oriente Médio, depende das mulheres e dos jovens garantir a antítese necessária para a democratização da sociedade. O despertar das mulheres e o fato de elas serem a força social de liderança nesse ambiente histórico têm valor de autêntica antítese. Devido às características de classe das civilizações, o seu desenvolvimento foi baseado na dominação mas culina. Isso é o que coloca as mulheres na posição de antítese. Na verdade, para superar a divisão de classes da sociedade e a superioridade masculina, a sua posição adquire o valor de uma nova síntese. Portanto, a posição de liderança dos movimentos das mulheres na democratização da sociedade no Oriente Médio possui características históricas que a fazem tanto uma antítese (pelo fato de se desenvolver no Oriente Médio) quanto uma síntese (em âmbito global). Essa área de trabalho é a obra mais importante que já fiz. Eu acho que deveria ter prioridade sobre a libertação das pátrias e do trabalho. Se quiser ser um lutador pela liberdade, não posso ignorar isso: a libertação das mulheres é uma revolução dentro da revolução. A missão fundamental da nova liderança é fornecer o poder intelectual e a vontade necessária para conseguir os três aspectos cruciais ao alcance de um sistema de modernidade democrática: uma sociedade que seja democrática, assim como ética de um ponto de vista tanto econômico como ecológico. Para conseguir isso, devemos estabelecer um número suficiente de estruturas acadêmicas com qualidade adequada. Não é suficiente criticar o mundo acadêmico moderno, pois precisamos desenvolver uma alternativa. Essas unidades acadêmicas alternativas deveriam ser criadas de acordo com as prioridades e necessidades em todos os campos sociais, tais como a economia e a tecnologia, a ecologia e a agricultura, as políticas democráticas, a segurança e a defesa, a cultura, a história, os campos de ciência e de filosofia, a religião e as artes. Sem uma forte estrutura acadêmica, os elementos da modernidade democrática não podem ser construídos. As estruturas acadêmicas e os elementos da modernidade democrática são igualmente importantes para atingir o sucesso. A inter-relação é uma necessidade para alcançar o significado e o sucesso. A luta pela liberdade (não só das mulheres, mas de todas as etnias e de todos os setores da comunidade) é tão antiga como a história da escravização e da exploração da humanidade. O anseio de liberdade é intrínseco à natureza humana. Aprendeu-se muito com essas lutas, do mesmo modo que com a que mantemos ao longo dos últimos 40 anos. A sociedade democrática tem coexistido com diferentes sistemas de civilização dominante. A modernidade democrática, o sistema alternativo ao capitalismo moderno, é possível por meio de uma mudança radical no nosso pensamento e as correspondentes alterações, radicais e apropriadas, na nossa realidade material. Devemos criar essas mudanças juntos. Finalmente, gostaria de salientar que a luta pela liberdade das mulheres deve ser feita através da criação de seus próprios partidos políticos, obtendo-se um movimento popular de mulheres através da construção de suas próprias organizações não governamentais e das estruturas da política democrática. Tudo isso tem de ser trabalhado ao mesmo tempo, simultaneamente. As melhores mulheres são capazes de escapar das garras da dominação masculina e da sociedade. As melhores serão capazes de viver e de agir de acordo com a sua iniciativa independente. Quanto mais as mulheres estiverem capacitadas, mais recuperarão a sua personalidade e identidade livres. Portanto, apoiando a raiva das mulheres, o movimento de conhecimento e da liberdade é a maior demonstração de camaradagem e uma prova de humanidade. Estou confiante de que as mulheres, independentemente das suas diferenças culturais e étnicas, todas as que foram excluídas do sistema, terão sucesso. O século XXI será o século da libertação das mulheres. Espero poder dar minhas próprias contribuições, não só escrevendo sobre esses temas, mas ajudando a pôr em prática as mudanças.